This is an example of a HTML caption with a link.
Notícias

Vendas da indústria de material construção avançam 6,79% em agosto

SÃO PAULO – O faturamento resultante da venda de materiais de construção no mercado interno em agosto cresceu 6,79%, em relação a julho deste ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (21) pela Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção). Já na comparação com o mesmo período de 2010, o crescimento nas vendas foi de 6,07%.

No acumulado do ano, a expansão foi de 1,57%. Já na avaliação dos últimos 12 meses, o crescimento observado foi de 2,38%, em relação a setembro de 2009 e agosto de 2010.

De acordo com a entidade, os resultados apresentados encontram-se abaixo das perspectivas do setor, por conta das reações do mercado às medidas de contenção da inflação e do aumento das importações. “Esses resultados estão relacionados principalmente com o crescente aumento das importações de materiais de construção e com o menor ritmo de crescimento da economia como um todo”, informa o presidente da Abramat, Melvyn Fox.

Materiais de base e acabamento
O faturamento deflacionado com as vendas de materiais básicos avançou 6,49%, em relação a julho deste ano. Na comparação com agosto de 2010, o aumento registrado foi de 3,76%.

No acumulado do ano, houve retração de 1,97%, em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Em relação aos materiais de acabamento, o levantamento apontou expansão de 10,35% em relação a agosto do ano anterior, de 7,31%, ante julho, e de 8,67% no acumulado dos oito primeiros meses do ano. Nos últimos 12 meses, de setembro de 2009 a agosto de 2010, a alta foi de 10,55%.

Nível de emprego
Em relação ao nível de emprego na indústria de materiais de construção, o levantamento mostra avanço de 5,58% em relação a agosto do ano passado, e de 0,56%, na comparação com julho deste ano.

Expectativa para os próximos meses
Para os próximos meses, as expectativas da Abramat se mantêm positivas, após três meses de variações negativas. De acordo com a entidade, a continuidade de desoneração do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos materiais até 2012, a disponibilidade de crédito e o elevado nível de emprego no mercado favorecem a retomada do setor.